Associação Portuguesa de Psicogerontologia

CONFERÊNCIA: “AS ASSOCIAÇÕES DE DOENTES COMO PROMOTORAS DE DIREITOS NAS POLÍTICAS DE SAÚDE” – 18 JANEIRO 2016

Partilhar no Facebook
Partilhar no Twitter
Partilhar no LinkedIn

CONFERÊNCIA: “AS ASSOCIAÇÕES DE DOENTES COMO PROMOTORAS DE DIREITOS NAS POLÍTICAS DE SAÚDE” – 18 JANEIRO 2016

18 de Janeiro, às 14:30, nas instalações da ANF – Associação Nacional das Farmácias irá se realizar uma conferência/debate com o professor Jorge Soares, diretor da Gulbenkian, responsável técnico pelo relatório e seu acompanhamento “Um futuro para a saúde”, publicado em 2014, indiscutivelmente um documento de viragem para um novo olhar sobre as políticas da saúde.

O professor Jorge Soares acedeu a dirigir a sua intervenção para o tema “As associações de doentes como promotoras de direitos nas políticas de saúde”, disponibilizando-se para debater todas as questões que lhe sejam postas sobre a natureza da intervenção associativa de doentes no futuro da saúde.

É uma oportunidade rara dispormos de um conferencista deste gabarito que se oferece para debater todos os pontos da participação, modos de representação e auscultação das associações, do seu papel na capacitação dos doentes, na sua valorização enquanto pilar da saúde, bem-estar e qualidade de vida.

A referida publicação aborda grandes questões quanto à participação, aos desafios políticos, à sustentabilidade dos serviços de saúde e aos programas prioritários na saúde conduzidos pela Fundação Calouste Gulbenkian.

Publicação: “Um futuro para a saúde – todos temos um papel a desempenhar”

Boletim de Inscrição da Conferência “As associações de doentes como promotoras de direitos nas políticas de saúde”

Associação Portuguesa de Psicogerontologia

A Associação Portuguesa de Psicogerontologia-APP, Instituição Particular de Solidariedade Social sem fins lucrativos e de âmbito nacional, dedica-se às questões biopsicológicas e sociais inerentes ao envelhecimento e às pessoas idosas, visa a promoção da dignificação, respeito, saúde, autonomia, participação e segurança das pessoas idosas, num quadro de envelhecimento ativo e de solidariedade intergeracional, e de uma sociedade mais inclusiva para todas as idades, promove novas mentalidades e combate estereótipos negativos relativamente à idade e ao envelhecimento.