Associação Portuguesa de Psicogerontologia

RECOMENDAÇÕES PARA PERÍODOS DE FRIO INTENSO

Partilhar no Facebook
Partilhar no Twitter
Partilhar no LinkedIn

RECOMENDAÇÕES PARA PERÍODOS DE FRIO INTENSO

Face ao tempo frio, o Serviço Municipal de Proteção Civil recomenda:

Dar especial atenção aos grupos da população de maior risco:

– Crianças nos primeiros anos de vida e pessoas idosas;

– Doentes crónicos (em especial cardíacos, vasculares, respiratórios, reumáticos, diabéticos e da tiróide) ou acamados;

– Indivíduos com perturbações de memória, problemas de saúde mental, alcoolismo ou demência;

– Indivíduos que tomem medicamentos como psicotrópicos ou anti-inflamatórios;

– Indivíduos com mobilidade ou dificuldades na realização das atividades da vida diária;

– Indivíduos isolados ou em situação de exclusão social.

– Evitar a saída de casa dos indivíduos que pertencem aos grupos de maior risco.

– Procurar manter-se em casa ou em locais quentes.

– Evitar as atividades físicas intensas que obrigam o coração a um maior esforço que podem provocar um ataque cardíaco. O ar frio não é bom para a circulação sanguínea.

– Em caso de suspeitar de situações de hipotermia, ligue imediatamente para o 112.

– Estar atento às informações meteorológicas e cumpra as recomendações das entidades competentes.

EM CASA

– Ter cuidado com as lareiras. Em lugares fechados sem renovação de ar, a combustão pode originar a produção de monóxido de carbono, um gás letal.

– O consumo excessivo de eletricidade pode sobrecarregar a rede originando focos de incêndio ou falhas locais de energia. Procure poupar energia, desligando os aparelhos elétricos que não sejam necessários. Tenha à mão lanterna e pilhas, para o caso de faltar a luz.

– Tenha cuidado com queimaduras em aquecimentos.

Frio – Cuidados a ter com as pessoas idosas

Frio – Cuidados a ter em Creches e Jardins de Infância

Frio – Recomendações para a População em Geral

Associação Portuguesa de Psicogerontologia

A Associação Portuguesa de Psicogerontologia-APP, Instituição Particular de Solidariedade Social sem fins lucrativos e de âmbito nacional, dedica-se às questões biopsicológicas e sociais inerentes ao envelhecimento e às pessoas idosas, visa a promoção da dignificação, respeito, saúde, autonomia, participação e segurança das pessoas idosas, num quadro de envelhecimento ativo e de solidariedade intergeracional, e de uma sociedade mais inclusiva para todas as idades, promove novas mentalidades e combate estereótipos negativos relativamente à idade e ao envelhecimento.

Artigos Relacionados