Associação Portuguesa de Psicogerontologia

Porto: novo espaço combate solidão entre idosos

Partilhar no Facebook
Partilhar no Twitter
Partilhar no LinkedIn

Porto: novo espaço combate solidão entre idosos

Na primeira “Casa dos Vizinhos” do país, vão realizar-se sessões de cinema, oficinas de tricot, artesanato e música. Outrora sede da Fundação Filos, entidade responsável por lançar esta iniciativa, o espaço da Rua Costa Cabral, no Porto, visa combater o isolamento dos idosos, estimulando o convívio e a criação de laços afetivos.

Este é o culminar do projeto “Sentinelas de Ruas”, que há dois anos mobiliza diversos voluntários em quatro ruas da cidade invicta (Costa Cabral, Bonfim, Alegria e D. João IV) na identificação das necessidades dos seus vizinhos e dos casos de idosos que vivem no isolamento.

Pretende-se, pois, que a “Casa dos Vizinhos” seja um espaço de aproximação desses moradores da zona oriental do Porto. Por isso, as técnicas de Serviço Social responsáveis pela elaboração do programa de atividades vão adaptá-lo aos vizinhos que frequentem a casa.

“É uma maneira de nós, numa cidade que é cada vez mais indiferente, valorizarmos as pessoas. A solidão e o abandono dos idosos é o que vai ocupar a nossa primeira prioridade”, explica à RTP o Padre José Maia, da Fundação Filos.

Com o intuito de promover a entreajuda no seio da comunidade, a Filos e o Movimento Comunidades de Vizinhança (MCV) desenvolveram duas estruturas de apoio social e financeiro: uma bolsa de necessidades, que ajuda a apurar quais os casos de maior carência entre os idosos, e um banco de recursos, para “fazer a permuta entre quem precisa e quem dá”.

Segundo o Padre José Maia, esta primeira “Casa dos Vizinhos” será apenas o início de uma rede que se pretende estender a toda a cidade do Porto, funcionando como laboratório social dos dois anos de trabalho já desenvolvidos nas ruas.

Associação Portuguesa de Psicogerontologia

A Associação Portuguesa de Psicogerontologia-APP, Instituição Particular de Solidariedade Social sem fins lucrativos e de âmbito nacional, dedica-se às questões biopsicológicas e sociais inerentes ao envelhecimento e às pessoas idosas, visa a promoção da dignificação, respeito, saúde, autonomia, participação e segurança das pessoas idosas, num quadro de envelhecimento ativo e de solidariedade intergeracional, e de uma sociedade mais inclusiva para todas as idades, promove novas mentalidades e combate estereótipos negativos relativamente à idade e ao envelhecimento.

Artigos Relacionados