Associação Portuguesa de Psicogerontologia

Rede de Cuidados Continuados: Fragilidade do idoso é a causa maioritária para admissão

Partilhar no Facebook
Partilhar no Twitter
Partilhar no LinkedIn

Rede de Cuidados Continuados: Fragilidade do idoso é a causa maioritária para admissão

A Rede Nacional de Cuidados Continuados Integrados (RNCCI) já atendeu quase nove mil utentes e deverá cumprir a meta em número de atendimentos, mas falha nas respostas de carácter social.
A Rede teve uma evolução inequívoca – os dados de 2008, a que o JN teve acesso, apontam já para uma cobertura nacional de 58%, com 8807 utentes tratados. “O número de utentes que vive só é, de facto, preocupante”, reconhece Ana Girão, médica e responsável pela implementação da RNCCI, ressalvando, no entanto, que, na primeira metade deste ano, o número já desceu para 12%. “Existe alguma carência na resposta social”, admite. No entanto, “no fim da reabilitação, acabamos por ficar a responder a problemas de carácter social”, continua a responsável.
De acordo com o relatório de monitorização do desenvolvimento da RNCCI, mais de metade das propostas de admissão dos utentes (52%) tem como motivo “a situação de fragilidade do idoso” – a idade média dos utentes é de 72 anos. E é o próprio documento que alerta para “a importância de garantir o apoio ambulatório ou domiciliário necessário após o internamento”.
“Estamos a falar de um serviço sério, que não passa pela mera entrega da alimentação ou da mudança das fraldas”, sublinha a médica. E acrescenta: “Enquanto não houver respostas de apoio domiciliário eficazes, não podemos apontar o dedo às famílias. Não podemos apoiar o seu mau comportamento para com os idosos, mas não as podemos acusar”.
O Programa de Alargamento da Rede de Equipamentos Sociais deverá criar 13 mil vagas para idosos em lares até 2009 e será “crucial no apuramento desta resposta”, conclui.

Fonte: Jornal de Notícias

Associação Portuguesa de Psicogerontologia

A Associação Portuguesa de Psicogerontologia-APP, Instituição Particular de Solidariedade Social sem fins lucrativos e de âmbito nacional, dedica-se às questões biopsicológicas e sociais inerentes ao envelhecimento e às pessoas idosas, visa a promoção da dignificação, respeito, saúde, autonomia, participação e segurança das pessoas idosas, num quadro de envelhecimento ativo e de solidariedade intergeracional, e de uma sociedade mais inclusiva para todas as idades, promove novas mentalidades e combate estereótipos negativos relativamente à idade e ao envelhecimento.

Artigos Relacionados